Homepage

  • Catorze ONG pedem fim da exploração de petróleo e gás no Algarve
    19 maio 2016
    arrow
    arrow
  • Várias instituições estrangeiras de renome 'estão muito preocupadas com a prospecção de hidrocarbonetos no Algarve'.
  • Catorze associações e ONG internacionais, entre as quais a norte-americana NRDC, a suíça Oceancare ou a espanhola Alianza Mar Blava, uniram-se à Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) na crítica à pesquisa e prospecção de petróleo e gás natural no Algarve, alertando o Governo português para os “tremendos impactos negativos das pesquisas sísmicas nos ecossistemas marinhos”.

    Segundo a própria PALP, várias instituições estrangeiras de renome “estão muito preocupadas com a prospecção de hidrocarbonetos no Algarve”. várias instituições estrangeiras de renome “estão muito preocupadas com a prospecção de hidrocarbonetos no Algarve”. Assim, para além da troca de informações cruciais para a progressão desta campanha por um Algarve sustentável, estas associações enviaram uma declaração para o governo português em que frisam a elevada biodiversidade marinha que ocorre no Algarve, incluindo várias espécies de golfinhos, orcas, baleias-anãs, tartarugas-marinhas, aves marinhas e ainda vários peixes como o tubarão-azul.

    Reconhecem ainda o Algarve como uma zona paradisíaca, com praias de areias macias e douradas, consideradas gemas à espera de serem descobertas.

    A pesca e a produção de marisco não ficam de fora das suas preocupações, relembrando que o Algarve é uma das regiões portuguesas onde a pesca possui um impacto social bastante significativo, possuindo várias comunidades com tradições muito enraizadas e uma dependência económica nas pescas ou em actividades associadas à pesca ou ao marisco.

    Oilgarve: Petróleo em Aljezur e Tavira 

    “Nesta declaração as organizações internacionais que a subscrevem estão em consonância com a PALP – a prospecção e exploração de petróleo e gás natural poderá ter consequências severas na pesca e no turismo, podendo mesmo, futuramente, vir a afectar a segurança alimentar dos algarvios”, avança a Plataforma Algarve Livre de Petróleo.

    O documento realça o impacto da pesquisa sísmica que já ocorreu e continua a ocorrer algo longo de todo o país, a falta de uma consulta publica e de uma avaliação de impacto ambiental apropriada e o impacto da prospecção nas populações de peixes e na pesca.

    AS 14 ONG INTERNACIONAIS PREOCUPADAS COM A BIODIVERSIDADE DO ALGARVE

    Alianza Mar Blava (Espanha)

    Animal Welfare Institute (EUA)

    MEER e.V. (Alemanha)

    Morigenos – Slovenian Marine Mammal Society (Eslováquia)

    NRDC (EUA)

    OceanCare (Suíça)

    Ocean Conservation Research (EUA)

    Ocean Mammal Institute (EUA)

    Oceanomare Delphis Onlus (Itália)

    Pro Wildlife e.V. (Alemanha)

    Salvia Team (Espanha)

    Vivamar Society for the Sustainable Development for the SeaWild Migration (Eslovénia)

    Whale and Dolphin Conservation (EUA)

    Wildmigration Network (Austrália)

    Fonte: GreenSavers

Tags
  • Petróleo
  • Exploração de Petróleo
  • Algarve
  • Gás Natural
  • PALP
  • Plataforma Algarve Livre de Petróleo
  • Oilgarve
  • Ambiente
  • Poluição
  • biodiversidade
similar News
similar
maio 23
Está a chegar o Boogie Chicks'22 e com recorde mundial na mira
maio 23
Santa Cruz Kids 2022 fechou o Circuito Regional de Surf do Centro
maio 23
Ação de limpeza recolhe mais de 330 quilos de lixo na Praia da Vieira
maio 23
Cientistas de universidades portuguesas descobrem cinco novas espécies de animais marinhos
maio 23
Estudo diz que os golfinhos esfregam-se nos corais para cuidar da pele
maio 23
Circuito Nacional de SUP Race 2022 a caminho de Peniche
maio 23
Teresa Padrela segue para a ronda 3 em Antofagasta