Homepage

  • GALP pronta para a exploração de Petróleo no Alentejo
    15 dezembro 2016
    arrow
    arrow
  • Medida vai contra toda uma linha de pensamento e postura do Governo, dos Portugueses e do mundo, nos últimos tempos.
  • É certo e sabido que as alterações climáticas são cada vez mais sérias e um problema urgente e eminente a ser resolvido a nível mundial, matando milhares de pessoas via poluição ou via desastres naturais como consequência dessas mesmas alterações. Também é certo e sabido que a indústria que mais contribui para esse mesmo aquecimento, é a exploração de Hidrocarbonetos.

    E para espanto de quase todos os Portugueses, Portugal decide em 2017 iniciar uma nova (a primeira) revolução industrial ligada ao Petróleo no nosso país, sem consultar ou aferir a nível regional ou nacional, se a população está interessada em atravessar esse caminho em desusi, hipotecando o turismo e outras actividades ligadas à sustentabilidade económica da região e das pessoas.

    Realmente como o mundo está a mudar e o clima também, as tempestades de hoje em dia vêm depois da bonança.

    Ora, depois da boa notícia de em que o Governo decidiu abandonar a exploração no Algarve, eis que o Jornal de Negócios e a RTP vèm dizer que a Galp (envolvida recentemente em escândalos no nosso Governo) e a Eni (empresa Italiana que já foi julgada e dada como culpada em tribunal de inúmeros crimes) a alegar que quer iniciar o projecto de exploração em Portugal e está disposta a avançar a partir de Abril, quando estiverem melhores condições climatéricas para a prospecção. O projecto já obteve um parecer positivo da entidade licenciadora, mas a palavra final cabe ao Governo.

    De salientar que esta medida vai contra a linha de pensamento dos Portugueses, que enviaram 42 (quarenta e duas) mil objecções contra a exploração petróleo e 4 (quatro) a favor, do Governo que assinou acordos de redução e emissão de CO2 na COP 21 em 2015, contra a linha mundial de abandonar este tipo de exploração de energia e contra a própria vontade do Papa Francisco, que já se manifestou publicamente muitas vezes contra este tipo de atentados. Deu-se inclusive ao trabalho de escrever um documento de 180 páginas de como isso é prejudicial para todos.

    Uma medida que mais parece uma potencial ideia do futuro presidente dos EUA, Donald Trump, que não acredita numa transição energética nem nas alterações climáticas, que "são uma invenção dos chineses".

    Para quem ainda tem dúvidas sobre a (in)sustentabilidade  desta indústria, pode ler este artigo no Público ou perder alguns minutos a recolher informação na internet, felizmente ela já é muita e só não vê, quem não quer. 

    Depois de se saber que a Central de Sines é a que mais polui o ar, será que o Alentejo precisa daquilo que os Algarvios não quiseram? Pois os Hidrocarbonetos fora das bacias, são só o maior contributo para essa causa, hipotecando todo o potencial de turismo de natureza e não só, que tem pela frente? Hipotecando o nosso mar e as nossas ondas? Dá que pensar. Nem que seja pelos que não foram escutados e aferidos a nível de referendo e vão ter de viver com esta exploração à porta de casa.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia de Hélio Caldeira Jorge

Tags
  • Alentejo
  • Galp
  • crime ambiental
  • eni
  • Petróleo
  • Exploração de Petróleo
  • Bacia do Alentejo
  • Sines
  • São Torpes
  • Algarve
  • Portugal
  • Governo da República
  • hidrocarbonetos
  • Papa Francisco
  • Poluição
  • Turismo
pub
similar News
similar
outubro 17
No Corvo haverá um apagão para salvar as aves marinhas
outubro 17
Inscrições abertas para a 2ª etapa do Circuito de Bodyboard do Ericeira Surf Clube
outubro 17
Patrick Costa conquista Tricks4Five em Portimão
outubro 16
Balanço positivo da 1ª edição do curso 'A Animação Turística no Surf'
outubro 16
Sari Ohhara sagra-se campeã do mundo de bodyboard
outubro 14
Joana Schenker avança para os quartos-de-final do Frontón
outubro 14
MEO promove sustentabilidade e proteção ambiental entre o mundo do surf