Homepage

  • Alentejanos exigem rescisão dos contratos de Petróleo
    22 dezembro 2016
    arrow
    arrow
  • O movimento Alentejo Litoral pelo Ambiente exigiu hoje ao Governo a rescisão dos contratos de prospeção e exploração de hidrocarbonetos.
  • Depois da notícia em que a GALP decidiu começar os furos para a exploração de Petróleo em Portugal, eis que o movimento Alentejo Litoral pelo Ambiente (ALA) exigiu hoje ao Governo a rescisão dos contratos de prospeção e exploração de hidrocarbonetos, manifestando-se preocupado com o início da prospeção de petróleo na costa alentejana previsto para 2017.

    "Exigimos ao Governo a rescisão dos contratos de prospeção e exploração de hidrocarbonetos em Portugal, no Alentejo Litoral em particular, por comprometerem seriamente as condições de vida das populações e as atividades económicas de que elas dependem" e devido aos "graves riscos e impactes que provocariam" naquela costa "de excelência ambiental", refere o movimento, num comunicado enviado à agência Lusa.

    Em alternativa à prospeção e à exploração de hidrocarbonetos, o movimento exige "o desenvolvimento de uma política energética assente nas energias renováveis, de acordo com as estratégias de desenvolvimento sustentável regionais e nacionais e dos acordos internacionais celebrados".

    No comunicado, o ALA, criado no dia 11 deste mês, manifesta preocupação com as "recentes notícias que apontam o início da prospeção de petróleo na costa alentejana para abril de 2017, pelos riscos que representa para o desenvolvimento, o ambiente e o futuro das populações da região".

    "Os impactes ambientais da exploração ´off-shore` de hidrocarbonetos são graves e têm efeitos irreversíveis para o ecossistema e para a vida das populações que dele dependem, especialmente para os setores da pesca e do turismo, que têm grande importância económica e social" no Alentejo Litoral, alerta o movimento, referindo que os contratos para prospeção e exploração de petróleo que vigoram na costa alentejana "remontam a 2007" e as autarquias e as populações da região "nunca foram ouvidas sobre esta matéria".

    Segundo o ALA, a costa alentejana "é uma das mais relevantes áreas de biodiversidade da Europa" e, por isso, "está quase totalmente integrada na Rede Natura 2000 e em áreas protegidas ao abrigo de legislação nacional".

    "O valor natural e a beleza da paisagem" da costa alentejana "vêm atraindo cada vez mais" populações, nacionais e estrangeiras, e investidores no setor do turismo, que "muito têm contribuído para a afirmação da região, através de uma oferta de excelência que se diferencia pela autenticidade, pela qualidade e pela diversidade dos seus produtos e serviços".

    O movimento refere que "a dinâmica dos agentes turísticos locais e a excelência dos valores naturais e culturais em que alicerçam a sua atividade fazem do turismo um setor emergente, com cada vez mais relevância para o desenvolvimento da região e da sua base económica, e um fator de afirmação da sua identidade".

    "A riqueza natural, a qualidade de vida que conhecemos e a revitalização económica que temos vindo a assistir não são compatíveis com a instalação de plataformas petrolíferas ao alcance da vista, nem com os derrames de crude que, inevitavelmente, originam", defende o movimento, lembrando as consequências do acidente com o navio Marão, em 1989, que provocou um derrame de crude, que se alastrou entre Sines e Almograve.

    Os efeitos do derrame "ainda hoje se fazem sentir nos fundos marinhos contaminados com crude, que as redes e armadilhas de pesca trazem frequentemente para bordo das embarcações", lamenta o movimento, referindo que não aceita, nem irá permitir que "a experiência se repita com maior frequência no futuro".

    Por outro lado, frisa, "o contexto global de aceleração das alterações climáticas e o novo paradigma de desenvolvimento energético assente nas energias renováveis exigem mudanças individuais e coletivas que nos desafiam a assumir responsabilidade e nos mobilizam para a ação".

    Mais sobre este movimento aqui.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia: Pico do Apocalipes em São Torpes/Sines por Kalux Surf Sines

Tags
  • Alentejo
  • Sines
  • Almograve
  • Petróleo
  • Alentejo Litoral
  • costa alentejana
  • SW Alentejano
  • Costa Vicentina
  • Poluição
pub
similar News
similar
janeiro 21
Potente gás com efeito de estufa está a aumentar na atmosfera
janeiro 21
Portugueses desenvolvem tecnologia para detetar lixo marinho
janeiro 21
Vila Real quer plantar um milhão de árvores em 2020
janeiro 21
China vai proibir os sacos de plástico nas principais cidades
janeiro 21
A grande estrela do Super Bowl rejeitou ser surfista profissional
janeiro 20
Mick Fanning em documentário da Nat GEO sobre tubarões
janeiro 20
Tomás Lacerda faz história com triunfo em importante prova de SUP