Homepage

  • Fotografia
    Miguel Silva-infinity Pic
  • Fonte
    Bernardo Mascarenhas de Lemos
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Simone Macera: O destemido bodyboarder Italiano.
  • No mundo das ondas sabe-se que Itália e surf não combinam. Mas isso é porque o mundo das ondas ainda não conhece Simone Macera, o destemido bodyboarder Italiano.

    A equipa do Beachcam conheceu o Simone algures em Outubro no porto de abrigo da Nazaré. Agarrava uma prancha de bodyboard, vestia um fato simples e sorria, sempre. A sua figura despertou-nos interesse e decidimos abordá-lo. Contou-nos que era Italiano (conseguem imaginar o espanto?) e que procurava uma boleia até ao canhão da Nazaré a fim de dropar uma daquelas ondas que têm o tamanho de um prédio. 

    Decidimos no momento que a história de Simone Macera tinha de ser contada e por isso convidámo-lo para uma entrevista.Queríamos saber mais. Queríamos que nos contasse, que nos explicasse como veio parar a Portugal e o que o faz mover-se para surfar uma das maiores ondas do mundo. 

    Acima de tudo, pelo reconhecimento e devido mérito que lhe damos, pretendemos que, com esta entrevista, Simone Macera possa servir de exemplo e, quem sabe, posa ser ajudado por uma marca ou alguém que acredite na sua paixão de perseguir e surfar as maiores ondas do mundo. 

    Para nós, Simone Macera será sempre um embaixador do free surf das ondas grandes. E embaixador é sem dúvida um nome que lhe encaixa bem já que Simone não esquece os seus estudos de Ciência Política. 

    Fiquem com a entrevista ao jovem Italiano de 22 anos, natural de Livorno. 

     

    Como entrou o bodyboard na tua vida?

    Comecei a surfar quando tinha 13 anos. Optei pelo bodyboard e não pelo surf pelas ondas que dão perto da minha cidade. Os spots chamam-se "Fungo" e "Corea" e são, sem dúvida, melhores para o bodyboard e talvez seja essa a razão que me fez optar por ir deitado em vez de pé. 

    Porque decidiste vir estudar para Portugal? 

    Já tinha estado em Portugal em 2012 para uma surf trip na Ericeira. Gostei muito e sei que é um país com altas ondas de norte a sul. Como amo o mar e  bodyboard era a melhor opção para ter uma experiência longe de casa.

    Porquê surfar ondas de 15 metros?

    Desde criança que sempre sonhei em surfar ondas muito grandes. Tenho uma paixão enorme pelas maiores ondas do mundo e quero muito surfá-las. Quero exceder os meus limites, quebrar barreiras e conseguir superar-me a mim mesmo.

    Não tens medo de vir surfar a onda da Nazaré? 

    Muito mais medo da Cave do que da Nazaré. 

    Em que consistem os teus treinos, a tua preparação física?

    Treino muito quando não há ondas. Nado e nado. Em piscinas ou no mar. Também treino a correr debaixo de água a segurar numa pedra.

    Quando vais para fora recebes algum tipo de ajuda? 

    Não tenho grande ajuda. Vou ao porto de abrigo e peço boleia. Se ninguém me deixar no pico vou até lá a remar sozinho. Mas uma vez apareceu no porto de abrigo um rapaz com um violino que me deu uma boleia até ao canhão ecaproveito para lhe deixar um muito obrigado! 

    Como aguentas a pressão de surfar ondas do tamanho de prédios?

    Quando surfo ondas muito grandes tento estar calmo, concentrado, e, sobretudo, muito confiante. Também é importante estares consciente de que o pior pode acontecer mas deves sempre lembrar-te que estás ali para te divertir. 

    (És um adrenaline junkie?) Entre risos diz-me que não mas eu desconfio que sim. 

    De que maneira poderia ajudar um patrocínio?  

    Ter um patrocínio seria muito fixe! Tipo Red Bull, assim podia surfar as maiores e mais loucas ondas do mundo. Estou à espera, à espera de alguém que me possa ajudar a perseguir esta paixão, este sonho de surfar as ondas mais crazy. Mas digo-te: até arranjar essa ajuda, vou e vou sozinho. E se nunca for patrocinado vou continuar sempre a ir pelo meu próprio pé. Mas sim, claro que um patrocínio me ajudaria bastante e tornaria a minha vida muito mais simples. 

    Estudas Ciência Política: Ser um grande surfista ou ser um grande político? 

    Acho importante ter uma boa bagagem cultural. Acho que é importante pensar e reflectir sobre as coisas que me rodeiam e não ter a cabeça só nas ondas, mas, sem dúvida que preferia ser um grande surfista. Sou italiano e no mar a surfar ondas grandes, há poucos como eu. No fundo seria como teres um australiano muito bom a jogar num clube da Champions League, é pouco comum. Surfar é mesmo a minha paixão, é o que mais gosto de fazer na vida.

    Quais as ondas que mais gostarias de surfar no mundo?

    Fácil. Cyclops e Teahupoo.

    Queres deixar algum agradecimento em especial? 

    Sim. Agradecer aos meus pais e aos meus amigos que sempre me apoiaram e ajudaram a perseguir esta paixão de surfar ondas grandes. Agradecer às pessoas da cidade de Livorno e também ao pessoal da JLID Distributions.

    "Portugal é o melhor país do mundo para surfar!" - Simone Macera.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, basta consultar a nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

     

     

Tags
  • SIMONE MACERA
  • ITALY
  • ITALIAN BODYBOARDER
  • NAZARÉ
  • PRAIA DO NORTE
  • BIG MONDAY
  • SURF
  • BODYBOARD
  • FREE SURF
  • BIG WAVE
  • BEACHCAM
  • Fotografia
    Miguel Silva-infinity Pic
  • Fonte
    Bernardo Mascarenhas de Lemos
pub
similar News
similar
maio 22
LUTA PELO SEGUNDO LUGAR DECIDE-SE EM CARCAVELOS
maio 22
O espanhol Marcos Tapia vence o International Adaptive Surf Open
maio 22
Mais de 10 toneladas de lixo todos os anos na costa açoriana
maio 22
Baleias são esperança na luta contra o cancro
maio 22
Melhor praia fluvial da Europa fica no Alentejo  
maio 21
ZMAR: Férias de verão na Costa Alentejana
maio 21
Jovem cachalote dá à costa com estômago cheio de plástico