Homepage

  • Kelly Slater sai em defesa dos juízes
    13 setembro 2016
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Embora aceite que a pontuação das ondas possa não ter sido a correta, KS faz uma análise mais abrangente ao heat.
  • Depois de muita tinta ter corrido sobre a polémica eliminação de Gabriel Medina em Trestles e de muitos surfistas se terem queixado do atual panorama do julgamento no surf, eis que Kelly Slater veio a público dar a sua sentença. E o 11 vezes campeão mundial coloca-se do lado dos juízes…

    Consulta aqui a previsão de surf para esta semana!

    Slater utilizou a sua conta de Instagram para se pronunciar sobre o assunto do momento, frisando que o heat entre o brasileiro e Tanner Gudauskas foi muito equilibrado e, na verdade, poderia ter caído para qualquer um dos lados.

    Embora aceite que a pontuação das ondas possa não ter sido a correta, KS faz uma análise mais abrangente ao heat, ao invés de comparar diretamente duas ondas, tal como muitos têm feito pela internet.

    “A primeira onda do Tanner (8,50) foi a onda melhor surfada do heat, com mais variedade e comprometimento nas manobras”, começa por explicar Kelly. “O Gabriel teve a melhor pontuação (8,83) na primeira troca de ondas, o que penso que foi incorrecto, tanto vendo ao vivo como depois na repetição”, frisou.

    Para Kelly Slater, foi isto que tornou depois estranho o resto do heat. “A onda em que o Medina recebe 8,30 deveria ser suficiente para o colocar na liderança, naquela altura do heat. O Tanner teve um 8,67 a meio do heat, que penso que foi uma onda pontuada por cima, pelo menos um ponto”, descreve.

    “Penso que os juízes se perderam um pouco na primeira troca de ondas. Quando o Medina recebeu aquele 8,30 todos ficaram confusos, inclusive eu. Mas não interessa o que pensas, pois foi um heat renhido e poderia ter sido vencido por qualquer uma das partes”, argumenta Slater.

    Mas o 11 vezes campeão mundial não termina a sua mensagem sem deixar um recado a todos os indignados da internet: “Penso que as pessoas fazem facilmente um grande espalhafato de coisas que nem são importantes para a sua vida. Os comentários que resultaram deste heat são tolos”, apontou.

    Por fim, Slater defende que a solução seria os juízes julgarem sem ouvirem a atual situação do heat, mas que no fundo apenas procuram encontrar o surfista que surfou melhor naqueles 30 minutos. Por fim, repetiu ainda a ideia principal daquele duelo: “Foi um heat equilibrado e qualquer um poderia ter vencido. Heats renhidos todos os temos, às vezes ganhamos, outras perdemos”.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • World Tour
  • Kelly Slater
  • Trestles
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 07
O tempo vai mudar esta quarta-feira: vem aí chuva em especial na região Sul
fevereiro 07
Seleção Nacional de Surf inicia operação Mundial ISA/Eurosurf com estágio em Peniche
fevereiro 07
Caparica recebe em março prova de qualificação para a Liga MEO Surf 2023
fevereiro 07
Cursos de Treinadores de Surfing Grau I/Surf Grau II da ASIP alargados a novos locais e já com inscrições abertas
fevereiro 07
Regressa a chuva e dois distritos estão sob aviso amarelo
fevereiro 06
Sintra Pro no calendário do Mundial de Bodyboard 2023, mas sem elite masculina
fevereiro 06
Temperatura a descer e a chuva deverá regressar esta semana