Homepage

  • Refugiada venceu o mar e estreou-se nos Jogos
    08 agosto 2016
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    ACNUR | Miguel Pachioni
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Nadadora síria teve de puxar a nado um barco com 20 tripulantes onde estava a família, durante a travessia entre a Turquia e a Grécia, depois de este quase se ter afundado.
  • Yusra Mardini tem 18 anos e é um dos nomes do momento nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro’2016. Faz parte da já célebre seleção composta por refugiados e não foi pelo seu resultado que atingiu o mediatismo. É que esta jovem síria cumpriu o sonho de competir nas Olimpíadas, depois de ter nadado mais de três horas no mediterrâneo, enquanto lutava pela sua sobrevivência e dos seus.

    A história foi trazida a público pela UNHCR ACNUR, agência da ONU (Organização das Nações Unidas) para os refugiados. Yusra seguia numa embarcação com cerca de 20 pessoas da sua família quando o barco encalhou na costa da Turquia. Muitas das pessoas não sabiam nada e o barco estava quase a afundar-se.

    Foi então que Yusra fez uso às suas credenciais de nadadora e, juntamente com a sua irmã, puxou o barco a nado até chegarem são e salvos à Grécia. Durante esta aventura, a nadadora síria perdeu um sapato. Contudo, salvou a vida a dezenas de pessoas que, como ela, procuravam fugir à Guerra Civil que tem trucidado milhares de sírios.

    “Teria sido vergonhoso se as pessoas no barco se tivessem afogado”, referiu a nadadora olímpica, que em 2012 representou a Síria no Mundial de piscina curta. Valeu a Yusra Mardini, atualmente refugiada na Alemanha, e a todos os outros tripulantes, a sua experiência na água. Filha de um técnico de natação, foi logo aos 3 anos que começou a praticar a modalidade.

    Foi, por isso, natural que no final da sua prova de 100 metros Mariposa, onde foi fortemente aplaudida pelo público, tenha festejado efusivamente. O seu 41.º posto nas eliminatórias esteve longe de lhe garantir uma vaga nas meias-finais da categoria. Mas a participação nestes Olimpíadas, depois de tudo o que passou para sobreviver, foi a sua maior vitória e vale bem mais que o ouro.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Rio de Janeiro'2016
  • Jogos Olímpicos
  • Refugiados
  • Fotografia
    ACNUR | Miguel Pachioni
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
novembro 25
Steph, Parko e outros tops avançam com primeiro resort de surf australiano
novembro 25
Praia de Albarquel conquista prémio 'Praia + Acessível 2020'
novembro 24
Irmã de Medina arrasa concorrência pelo Brasil
novembro 25
Zmar promove campanha Black Friday
novembro 25
Mais 82 autos levantados por campismo e autocaravanismo ilegais em Vila do Bispo
novembro 25
The Base Surf Store celebra Black Friday com campanha especial
novembro 25
Odeceixe Surf School anuncia aulas aos fins de semana para crianças
pub