Homepage

  • John John assume a liderança do World Tour
    24 agosto 2016
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Feitas as contas, John John sai de Teahupoo com 39.900 pontos e está finalmente no centro da disputa de um título mundial, ele que é o primeiro havaiano a chegar ao primeiro lugar do ranking depois de Andy Irons.
  • Após a derrota de Matt Wilkinson na 3.ª ronda do Billabong Pro Tahiti, a liderança do World Tour ficou em jogo. John John Florence e Gabriel Medina eram os candidatos a vestir a camisola amarela no final da etapa, mas foi o havaiano que acabou por sair de Teahupoo no topo da classificação mundial.

    Depois de ultrapassar Joel Parkinson na 5.ª ronda, John John garantiu a ultrapassagem a Wilko e uma liderança virtual do ranking. Isto porque ainda havia Medina na jogada. Ambos cruzaram-se nas meias-finais, naquilo que parecia ser a antecipação da luta pelo título mundial deste ano. E, quem sabe, dos próximos.

    Ao havaiano bastava avançar até à final para garantir a liderança. Ao brasileiro era necessário eliminar o rival e ainda vencer o evento para ser ele a alcançar o topo. Numa disputa muito equilibrada e com notas altíssimas a vitória sorriu a Florence, embora com alguma polémica à mistura em relação ao trabalho dos juízes.

    John John Florence é assim o novo líder mundial e só não vai mais destacado na lita pelo título de 2016 porque Kelly Slater fez questão de batê-lo na final. Feitas as contas, John John sai de Teahupoo com 39.900 pontos e está finalmente no centro da disputa de um título mundial, ele que é o primeiro havaiano a chegar ao primeiro lugar do ranking depois de Andy Irons.

    A quatro etapas do final a luta está ao rubro, mas já só dois surfistas parecem acompanhar Florence nela. No 2.º ponto surge Matt Wilkinson com 36 mil pontos, sendo seguido de perto por Gabriel Medina, que tem apenas menos 300 pontos que o australiano. Apesar de estar no 3.º posto, o campeão mundial de 2014 afigura-se como o grande rival de Florence nesta luta.

    Depois está tudo muito renhido até ao 10.º posto. Ace Buchan subiu ao 4.º posto, Julian Wilson ao 5.º e Jordy Smith ao 6.º. O campeão mundial Adriano de Souza desceu ao 7.º lugar, enquanto Kelly Slater galgou 11 posições até ao 8.º posto. Italo Ferreira desceu ao 9.º posto e o “semi-retirado” Mick Fanning fecha o top 10. Todos eles estão próximos em pontuação, mas já muito distantes da frente e, por isso, muito provavelmente, afastados da luta pelo título.

    A próxima etapa é em Trestles e depois falta a passagem por França, Portugal e Havai. Já com dois descartes a contar – Wilko tem três… -, John John e Medina não têm grande margem de manobra para vacilar nesta reta final. Mas historicamente estes são palcos em que tanto o havaiano como o brasileiro se dão bem. Sobretudo em França, Portugal e Havai. Isto promete!

    2016 WSL Jeep Leaderboard Top 5 (after Billabong Pro Tahiti):

    1. John John Florence (HAW) 39,900 pts
    2. Matt Wilkinson (AUS) 36,000 pts
    3. Gabriel Medina (BRA) 35,700 pts
    4. Adrian Buchan (AUS) 26,200 pts
    5. Julian Wilson (AUS) 25,200 pts
    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • John John Florece
  • World Tour
  • gabriel medina
  • Matt Wilkinson
  • Billabong Pro Tahiti
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 23
Nova Surf Contest regressa a 2 de outubro à Praia de Carcavelos
setembro 22
Outono chega e traz o regresso da chuva
setembro 23
Cinco distritos em aviso laranja por causa da chuva
setembro 22
Há uma nova onda na Indonésia: é gerada por um navio encalhado e repete história do século XX
setembro 22
Exposição Viva celebra 1ª edição do Programa Atlantis no Dia Nacional da Água
setembro 22
Abriram as inscrições para o Campeonato Nacional de Surf Esperanças Sub-14
setembro 22
Nível do mar continua a subir a um ritmo alarmante