Homepage

  • Flash Mob e Sunset na Ilha de Tavira
    09 agosto 2016
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Divulgação
  • Fonte
    Comunicado de Imprensa
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Depois, às 17h30, iniciar-se-á uma sessão de música sunset com dj, que será acompanhada de várias bancas informativas e recolha de assinaturas.
  • No sábado, dia 13 de Agosto, pelas 15h00, terá lugar, na praia da ilha de Tavira, uma prestação artística ou Flash Mob de protesto pacífico contra a exploração de gás e petróleo no Algarve e em Portugal. Esta iniciativa pujante contará com o envolvimento e o apoio de várias forças vivas da comunidade tavirense e da sociedade civil portuguesa. Depois, às 17h30, iniciar-se-á uma sessão de música sunset com dj, que será acompanhada de várias bancas informativas e recolha de assinaturas.

    Esta é uma problemática sobre a qual urge refletir e no âmbito da qual é imperioso intervir, sob pena de virmos a observar aqui os perniciosos efeitos deste tipo de actividade, já constatados noutros locais. Pensemos, por exemplo, na Andaluzia, onde a contaminação das águas, dos solos, da atmosfera se repercutiu num significativo impacto na saúde das pessoas (cujas taxas de cancro dispararam para níveis nunca antes vistos) nas pescas e na vida selvagem (parque Doñana e mar do Golfo de Cádis).

    Estamos perante contratos lesivos para o ambiente, saúde, bens patrimoniais, estabilidade geológica do território, e perante um Estado cuja legalidade e transparência política são altamente duvidosas, como confirmam os últimos acontecimentos relacionados com a Galp. Esta empresa, para além dos convites e ofertas a vários responsáveis políticos, encontra-se em litígio judicial com o Estado por não querer pagar 100 milhões de euros que deve em impostos.

    O sector petrolífero é uma indústria em declínio enfrentando atualmente uma enorme crise. Em todo o Mundo cresce em número o desinvestimento e desmantelamento de plataformas e explorações petrolíferas, sendo que vários países já se comprometeram a deixar de comercializar carros movidos a energias fósseis a partir de 2025.

    De notar que o sismo, de magnitude 4.0, recentemente ocorrido perto de Faro, se propagou precisamente na região concessionada às petrolíferas Repsol e Partex (Gulbenkian), as quais pretendem aí, a breve trecho, executar o seu 1º furo.

    De notar ainda que, no barrocal algarvio, onde a concessionária Portfuel de Sousa Cintra pretende extrair gás de xisto, há uma enorme comunidade, de portugueses e estrangeiros, que verão o seu património imobiliário desvalorizado, ao exemplo do que acontece em vários sítios do mundo, nos quais as vendas e o preço das casas chegaram a cair abaixo dos 50%.

    Acresce o facto do aquecimento global ser uma realidade actual, cuja incidência tem, nos últimos anos, tido uma evolução exponencial - algo que é altamente preocupante e de consequências imprevisíveis. Segundo o estudo da Global Footprint Network a partir do dia 08 de Agosto de 2016 vivemos "a crédito" com o planeta, ultrapassámos todas as linhas vermelhas, estamos a consumir o equivalente a 1,6 planetas terra por ano e as emissões de dióxido de carbono (CO2) são o maior factor desse excesso, visto que representam "60% da nossa pegada ecológica global".

    Todas as soluções estão prontas e é imperioso transitar e apostar nas energias de ética renovável e limpa e na eletrização do consumo; na produção e economia circular e local (já extraímos mais do que precisamos e a reciclagem aliada à reinvenção dos objetos e materiais pode e deve ser a fonte de prosperidade económica para todos, garantindo circularmente emprego, riqueza e recursos); urge educar e sensibilizar para um novo paradigma de hábitos de consumo; transitar para uma economia de proximidade cooperativa e local; apostar na agricultura sustentável; na mobilidade verde e sustentável; na reflorestação e fixação de carbono no solo; na sustentabilidade ambiental e no turismo de natureza, que fixa riqueza ao longo de todo o ano e se revela factor fundamental no combate à sazonalidade algarvia; numa cultura de sustentabilidade que alia o melhor do passado ao melhor do futuro, tal como nos relembra a dieta mediterrânica; na alimentação saudável e sem químicos tóxicos; numa cidadania activa, ecológica, próspera e saudável.

    Fotografia: Tavira em Transição

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Tavira
  • Algarve
  • Petróleo
  • Flash mob
  • Fotografia
    Divulgação
  • Fonte
    Comunicado de Imprensa
pub
similar News
similar
setembro 29
MEO Portugal Cup of Surfing está ON em Ribeira d’Ilhas
setembro 28
MEO Portugal Cup of Surfing junta o surf e a sustentabilidade
setembro 25
Projeto 'The Unwanted Shapes' vai estar presente no MEO Portugal Cup of Surfing
setembro 28
Nuno Vitorino vai competir no nacional britânico de surf adaptado
setembro 28
Kikas: “Felizmente, em Portugal as previsões do mar não são descuradas”  
setembro 28
Italo tem “boas memórias” de Ribeira, mas preferia competir em Supertubos
setembro 28
Nova chamada para terça-feira no MEO Portugal Cup of Surfing
pub