Homepage

  • Degelo vai destapar base “contaminada”
    17 agosto 2016
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Na época previu-se que não existiria problema de tudo ficar por ali “enterrado” no gelo. Contudo, as alterações climáticas registadas nos últimos anos vêm alterar esta realidade.
  • E se por baixo do gelo estivesse escondido um segredo “sujo” e ameaçador para o ambiente. Na Gronelândia um estudo revela que está muito próximo de acontecer um problema ambiental grave. Isto porque o degelo irá deixar a descoberto uma antiga base militar norte-americana que estava escondida pelo gelo.

    Até aqui tudo bem, não tivesse a base, construída em 1959 durante a Guerra Fria, sido abandonada com os seus resíduos tóxicos e radioativos. A base de Camp Century esteve ativa menos de uma década e chegou a ter um plano secreto para instalar mísseis com ogivas nucleares apontados à antiga União Soviética.

    A base acabou por ser abandonada em 1967 e, embora os militares tenham desmontado e levado consigo o pequeno reator nuclear que fornecia a energia às instalações, a infraestrutura ficou lá, bem como o seu lixo, incluindo resíduos radioativos, materiais tóxicos e contentores cheios de combustível e de águas residuais contaminadas.

    Na época previu-se que não existiria problema de tudo ficar por ali “enterrado” no gelo. Contudo, as alterações climáticas registadas nos últimos anos vêm alterar esta realidade. "Há duas gerações, enterravam-se os resíduos em diferentes pontos do mundo e agora as alterações climáticas estão a mudar esses locais", explica o coordenador do estudo, o climatologista e especialista em glaciologia William Colgan, da Universidade de York.

    Agora, o estudo prevê que até ao final do século o degelo deverá deixá-la à vista, o que constituirá uma grave ameaça ambiental. As conclusões, publicadas na revista científica Geophysical Research Letters, mostram que os problemas poderão começar na década de 90 deste século, quando o degelo desocultar aquela perigosa herança da Guerra Fria.

    Segundo as estimativas do estudo, estarão enterrados naquela base construída sob o gelo, numa área de 55 hectares, cerca de 200 mil litros de combustível diesel e mais de 240 mil de águas residuais contaminadas. Já os volumes de resíduos radioativos, incluindo a água de refrigeração do reator, ou dos materiais tóxicos do tipo PCB que na altura eram utilizados na construção, são desconhecidos.

    O governo da Gronelândia, um território atualmente autónomo, já se manifestou preocupado com a situação. Enquanto isso, Dinamarca, país ao qual pertencia a Gronelândia na altura da instalação da base, e Estados Unidos vão tentando empurrar para o outro lado os custos de uma operação de descontaminação, que será inevitável para bem do ambiente.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • degelo
  • Gronelândia
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
outubro 21
Costa da Morte, na Galiza, quer ser Reserva Mundial de Surf
outubro 21
Salvamentos aumentaram nas praias portuguesas na época balnear de 2020
outubro 21
Primeira ondulação grande da temporada deverá entrar na Nazaré a partir de domingo
outubro 21
Circuito Regional da Madeira SUP Race arrancou em grande estilo
outubro 21
Bodyboard: Título nacional feminino vai decidir-se na Póvoa de Varzim
outubro 19
Bernardo Jerónimo, o único português a competir no Frontón King, já está na 3ª ronda
outubro 20
Depressão Bárbara: Aviso vermelho alargado a mais 3 distritos do continente
pub