Homepage

  • Petição contra a exploração de petróleo no Algarve entregue no Parlamento
    23 junho 2016
    arrow
    arrow
  • O furo de sondagem para procura de petróleo será levado a cabo pelo consórcio GALP/ENI e está marcado para o dia 1 de julho.
  • Uma associação algarvia entregou, esta quarta-feira, no Parlamento, 27 mil assinaturas a pedir a suspensão imediata dos contratos para exploração de petróleo em Aljezur, além da avaliação do impacto que esta exploração pode ter, em diálogo com a população.

    A iniciativa, promovida pela Associação de Surf e Atividades Marítimas do Algarve (ASMAA), recebeu o apoio de várias autarquias algarvias e do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN).

    Estas entidades opõem-se à atribuição de uma licença de Título de Utilização Privativa do Espaço (TUPEM) relativa ao consórcio GALP/ENI, que pretende explorar petróleo na área de Santola, na Bacia do Alentejo, em Aljezur, e pedem a suspensão imediata dos contratos que foram assinados.

    O furo de sondagem para procura de petróleo será levado a cabo pelo consórcio GALP/ENI e está marcado para o dia 1 de julho.

    Entre as várias razões para se opor à licença, a ASMAA aponta na petição pública o valor ambiental, social e económico para o Algarve e todos os seus residentes e habitantes da Costa Vicentina, o facto de a zona para onde está prevista a perfuração ter habitats importantes para os animais e a falta de um estudo que tenha em conta o impacto ambiental dessa atividade.

    Hoje, um grupo de peticionários protestou à frente da Assembleia da República - com cartazes e t-shirts brancas com inscrições como “Nem um furo, nem agora nem no futuro” -, onde foram ouvidos pelo PS, PAN, “Os Verdes”, PS, BE e MPT.

    Heloísa Apolónia, de “Os Verdes”, salientou que está para breve a votação no parlamento de projetos de lei de vários partidos sobre o assunto, acrescentando que o seu partido defende a suspensão dos contratos “para que se faça um amplo debate público”.

    Por outro lado, a socialista Jamila Madeira defendeu ser “importante avaliar” o que existe, pois “fazer um levantamento do que existe é saudável para todos”.

    “Agora, passar à fase seguinte [da prospeção] é outra história”, disse a deputada, realçando a importância da petição, porque permite “debater com os cidadãos”.

    A presidente da ASMAA, Laurinda Seabra, entregou as assinaturas a representantes do gabinete do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, enumerando que a perfuração vai trazer impactos ambientais e económicos, num local onde se vive uma economia baseada no turismo, na pesca e na agricultura.

    “O impacto é enorme. Se as pessoas não tiverem dinheiro para pagar a renda da casa, pôr comida na mesa e tratar dos filhos e dos netos, o resto não conta”, disse.

    Também Pedro Bicudo, da associação SOS - Salvem O Surf, realçou à Lusa que a indústria do petróleo é pesada e das mais poluidoras do mundo, que “faz grandes transformações nas praias e na paisagem”.

    “Tem um impacto muito mau na paisagem e o surf tem uma grande componente turística e isto é tudo muito mau para o turismo. O que acontece é que o surf é um desporto na natureza e os surfistas gostam de surfar na natureza, não em ambientes industriais”, realçou, afirmando que dezenas de milhares de turistas vão surfar para o Algarve todos os anos, onde há centenas de escolas.

    Para protestar contra a licença para este furo de pesquisa de petróleo está marcada para dia 25 de junho uma manifestação, em Aljezur, convocada por vários movimentos.

    Última hora: Prorrogação do prazo de consulta pública, por mais trinta dias

    A Senhora Ministra do Mar, Engª. Ana Paula Vitorino despachou no sentido de prorrogar o prazo da consulta pública, por mais 30 dias, terminando a 3 de agosto de 2016, no que concerne ao Edital nº 008/2016 TUPEM, para utilização privativa do espaço marítimo nacional, licença para efetuar sondagem de pesquisa no deep off shore da baía do Alentejo, a 46 km de Aljezur, pelo consórcio ENI/GALP.

    Durante todo o dia, o Gabinete da Senhora Ministra trabalhou neste sentido uma vez que a anterior consulta pública  estabelecida em 15 dias, para participação e informação públicas, face à importância do assunto em causa, não acautelava o tempo devido para o efeito,  conforme referido ao Senhor Presidente da Câmara Municipal de Aljezur.

    A Câmara Municipal de Aljezur regozija-se com a nova prorrogação estabelecida e apela à continuação da participação de todos neste processo de consulta pública.

    Em anexo, o Edital.

    Fotografias: ASMAA | 10 razões contra a exploração de Petróleo em Portugal

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Pedro Bicudo
  • SOS - Salvem o Surf
  • SOS
  • Surf
  • Petróleo
  • Assembleia da República
  • Política
  • Furo
  • Algarve
  • aljezur
  • furo
  • Gás Natural
  • Exploração de Petróleo
  • hidrocarbonetos
  • Natureza
  • crime ambiental r
  • Lisboa
  • manif
  • manifestação
  • José Amarelinho
  • Município de Aljezur
pub
similar News
similar
agosto 23
Fim de semana quente, mas com ligeira descida da temperatura
agosto 23
FPS lança maior campanha de ação ambiental já feita em Portugal
agosto 23
Maré de algas invade praias do Algarve
agosto 23
Wakeboard e Ski Náutico animam Montargil
agosto 23
Terra tremeu em Setúbal esta manhã
agosto 22
O microplástico já chegou ao Ártico
agosto 23
Marca de surfwear escolhe modelo com Síndrome de Down