Homepage

  • 2015 foi ano mais quente dos registos e o futuro depende das opções humanas
    19 maio 2016
    arrow
    arrow
  • O ano de 2015 foi o mais quente da década mais quente desde que há registos.
  • A climatologista Valerie Masson-Delmotte, que integra o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, admitiu que 2016 "também deve ser muito quente, devido a que o El Niño (um fenómeno meteorológico sazonal que provoca a subida das temperaturas em algumas partes do mundo) deve continuar na primeira metade do ano".

    Masson-Delmotte adiantou que "o clima está a aquecer e vai continuar a aquecer durante várias décadas" faça a humanidade o que fizer e "vai permanecer quente durante séculos".

    A climatologista esclareceu que "mesmo que se interrompessem agora as emissões de gases com efeito de estufa, o clima iria continuar a reagir (subir) aos desequilíbrios já presentes na atmosfera".

    A razão é que o dióxido de carbono (CO2), o mais importante gás com efeito de estufa, permanece na atmosfera durante um longo período. "Cerca de 10 a 30% das emissões de hoje vão continuar a existir durante pelo menos mil anos", detalhou.

    Outro cientista climático, Anders Levermann, do Instituto Potsdam de Investigação dos Impactos das Alterações Climáticas, alertou que se a humanidade falhar na limitação do aquecimento global a níveis seguros, vai ter de recorrer às ditas "emissões negativas" para fazer descer a temperatura para níveis aceitáveis.

    "Isto significa que para fazer descer a temperatura, as emissões têm de ser zero e o carbono extraído da atmosfera", através da plantação de árvores ou de alguma tecnologia.

    "Não estamos perdidos, mas os desafios ficam cada vez maiores de minuto para minuto", alertou.

    O ano de 2015 foi o mais quente em termos globais desde que tiveram início os registos de temperatura, no final do século XIX, revelou hoje a agência federal norte-americana para a atmosfera e os oceanos (NOAA).

    Em 2015, a temperatura média na terra e nos oceanos ficou 0,90 graus Celsius acima da média do século XX, tornando-se a mais elevada desde que começaram os registos em 1880 e deixando muito para trás o anterior máximo, verificado em 2014, com 0,16ºC acima da média, o que torna a diferença - de 0,74ºC - a mais acentuada de sempre entre dois recordes.

    Dos doze meses de 2015, dez alcançaram novos recordes de temperatura, tendo dezembro passado sido o dezembro mais quente dos últimos 136 anos.

    No ano passado, a temperatura média na superfície da terra ficou 1,33°C acima da média do século XX, a mais elevada verificada no período 1880-2015, e superou o recorde anterior, de 0,25°C, estabelecido em 2007.

    Quanto à temperatura global média da superfície dos mares e oceanos, ficou 0,74°C acima da média do século passado, ultrapassando largamente o máximo estabelecido em 2014, de 0,11°C.

    RN (HSF) // JPS

    Lusa/fim

Tags
  • temperaturas
  • 2015
  • Quente
  • Calor
  • Aquecimento global
  • clima
  • Alterações climáticas
pub
similar News
similar
agosto 12
Praias de Carcavelos e São Pedro do Estoril reabertas a banhos, proibição no Magoito
agosto 12
Presença de medusas avaliada em 42 praias do distrito de Lisboa
agosto 11
Praias de Oeiras recebem cadeiras adaptadas para crianças com mobilidade reduzida
agosto 12
Município de Portimão aumenta proteção dos nadadores-salvadores
agosto 12
É agosto, mas a chuva não quer saber e está de regresso
agosto 12
Banhos continuam proibidos nas praias de Carcavelos e São Pedro do Estoril
agosto 12
MEO associa-se ao Circuito Nacional de Bodyboard
pub