Homepage

  • De Curren a Saca, o historial da Ericeira
    10 maio 2018
    arrow
  • EDP Billabong Pro Ericeira quebra hiato de sete anos sem que o WQS passasse pela Ericeira, onde já brilharam nomes como Tom Curren, Taj Burrow, Gabriel Medina, Julian Wilson, John John Florence ou Tiago Pires.
  • Entre 24 e 30 de setembro deste ano a nata do top 100 mundial vai rumar à Ericeira para a realização do EDP Billabong Pro Ericeira. O campeonato que outrora se realizava em Cascais vai, assim, passar para a Reserva de Surf Mundial, apoiado em ideais ambientais, e será disputado na mítica direita de Ribeira d’Ilhas, o principal “salão de festas” do surf nacional.

    A Ericeira é, de longe, a praia portuguesa que mais eventos internacionais da ASP/WSL já recebeu. Tudo começou em 1989, com o primeiro campeonato internacional da ASP realizado em ondas portuguesas. O novo QS10000 será a 20.ª prova internacional ali disputada, mas marca o fim de um hiato de 7 anos sem que Ribeira tenha recebido a visita dos melhores surfistas do WQS, embora pelo meio tenho recebido duas vezes a final do Mundial de Juniores.

    Ao longo dos anos muitas histórias ali se presenciaram, muitos campeões se mostraram e muitos atletas de futuro se moldaram. Falar de provas internacionais em Ribeira d’Ilhas é lembrar a multidão a encher a praia nos primeiros campeonatos, a contarem para o WCT da altura, para ver ídolos como o lendário Tom Curren, vencedor da etapa em 1990.

    Anos mais tarde a praia voltava a lotar para coroar o príncipe local. Em 2005 e 2006 Tiago Pires conseguiu ali duas das mais importantes vitórias da carreira, quando ainda caminhava a passos largos para ser o primeiro português a entrar na elite mundial. As duas vitórias de Saca fazem parte do livro dourado das recordações do surf nacional.

    Mas não foram as únicas, pois em 2014 Ribeira vestiu-se de gala para coroar o primeiro campeão do Mundo português, quando Vasco Ribeiro se impôs aos melhores juniores vindos dos quatro cantos do globo. A juntar ao título de Vasco, o 3.º lugar de Tomás Fernandes e o 5.º de Teresa Bonvalot, numa das semanas mais marcantes para o surf português a nível internacional.

    No entanto, poucos campeonatos tiveram um peso tão grande na herança do surf mundial como o último WQS realizado na Ericeira e, curiosamente, o único de escalão máximo – na altura Prime – entre as dezenas que por ali se realizaram. Corria o mês de junho, em 2011, quando Ribeira d’Ilhas recebeu o Quiksilver Pro Portugal. Um campeonato que foi uma espécie de reunião do futuro do surf mundial.

    Para a história ficou um pódio que mostrava a visão daquilo que seriam os próximos anos da elite mundial. Julian Wilson, que já fazia parte do Tour, foi o vencedor, depois de bater na final o brasileiro Gabriel Medina. Embora poucos se recordem, foi em Ribeira que se assistiu ao primeiro capítulo de uma rivalidade que viria a dar que falar. No pódio estiveram ainda John John Florence e Miguel Pupo - provavelmente um dos melhores pódios, senão o melhor, da história do WQS.

    Semanas depois, Medina, John John e Pupo garantiriam a entrada no WCT, muito por culpa do resultado na Ericeira, num ano em que houve o célebre “cut” a meio da temporada. E não passou muito tempo até Medina invadir o CT e conquistar logo duas etapas na estreia no circuito. O Quiksilver Pro Portugal tinha sido só o aviso do que estava para chegar, a grande reunião da next gen do surf mundial.

    Muitas outras histórias se viveram naquela que é uma das direitas mais icónicas da Europa. Houve campeonatos para todos os gostos e hierarquias, desde WCT até Mundial Juniores, passando por Primes até a 3 estrelas. Agora, o WQS vai, finalmente, regressar a um palco que deveria ser presença regular no calendário por direito próprio. Sobretudo pelo historial e misticismo que tem.

    Eis a linha crónica da passagem dos campeonatos da ASP/WSL pela Ericeira, vencedores e prestação dos portugueses:

    - Buondi Instict Pro 1989 (WCT 1A): Bruno Charneca “Bubas” e Rodriga Herédia foram os únicos em prova e foram eliminados na primeira ronda, ficando no 33.º posto. Vencedor foi o australiano Rob Bain.

    - Buondi Pro 1990 (WCT 2A): João Alexandre “Dapin” foi o único português em prova, e foi eliminado na primeira ronda, terminando no 33.º posto. Vencedor foi o norte-americano Tom Curren, no ano em que venceu o seu terceiro e último título mundial.

    - Buondi O’Neill Pro 1993 (WQS 3*): Tiago Oliveira, João Antunes e Marcos Anastácio foram os melhores classificados, terminando no 49.º posto. O vencedor foi o australiano Barton Lynch.

    - Buondi O’Neill Pro 1994 (WQS 3*): João Antunes foi o melhor português ao terminar no 17.º posto. O brasileiro Fábio Gouveia foi o vencedor.

    - Buondi O’Neill Pro 1995 (WQS 4*): O melhor português foi Rodrigo Herédia, que terminou no 33.º posto. O vencedor foi o norte-americano Chris Brown.

    - O’Neill Buondi Pro 1996 (WQS 5*): o melhor português foi José Araújo no 33.º posto. O campeonato foi vencido pelo norte-americano Chris Gallagher.

    - O’Neill Buondi Pro 1999 (WQS 5*): O melhor português foi Tiago Pires, com 19 anos, que terminou no 9.º lugar. O vencedor foi o norte-americano Pat O’Connell.

    - O’Neill Netc Pro 2000 (WQS 4*): o melhor português foi Tiago Pires, no 25.º posto. O vencedor foi o australiano Zane Harrison.

    - Ericeira Surf Classic 2001 (WQS 6*): O melhor português foi Tiago Pires no 17.º posto. O australiano Taj Burrow foi o vencedor do campeonato.

    - O’Neill Yorn Pro 2002 (WQS 6*): O melhor português foi José Gregório no 49.º posto. O vencedor foi o norte-americano Chris Ward.

    - Ericeira Pro 2003 (WQS 3*): O melhor português foi Tiago Pires, que na final só perdeu para o britânico Russell Winter. Destaque ainda para o 9.º lugar de João Antunes, o segundo melhor português em prova.

    - Buondi Billabong Pro 2005 (WQS 6*): A vitória pertenceu a Tiago Pires, que na final venceu Pedro Henrique – na época a competir pelo Brasil. Justin Mujica foi o segundo melhor português com um 37.º posto.

    - Buondi Billabong Pro 2006 (WQS 5*): Tiago Pires foi novamente o vencedor do campeonato, depois de bater o havaiano Fred Patacchia na final. Ruben Gonzalez, com um 25.º lugar, foi o segundo melhor português no evento.

    - Buondi Billabong Pro 2007 (WQS 5*): Tiago Pires foi novamente o melhor português, mas desta vez no 33.º lugar. O francês Jeremy Flores venceu o campeonato.

    - Buondi Billabong Pro 2008 (WQS 5*): Ruben Gonzalez foi o melhor português com um 25.º posto. A final foi vencida pelo australiano Phil MacDonald.

    - Quiksilver Pro Portugal 2010 (WQS 6*): Tiago Pires foi o melhor português ao terminar no 5.º posto. Justin Mujica e Frederico Morais terminaram no 9.º lugar. João Antunes foi 25.º. Francisco Alves, Alexandre Ferreira, Miguel Mouzinho, Vasco Ribeiro, David Raimundo e Ivo Cação terminaram no 37.º posto. Paulo Almeida, Basile Belime, João Pinheiro, Nuno Silva, David Luís, Ricardo Lange, João Guedes, Nuno Florêncio, Gonçalo Coelho de Paula e Leo Belime foram alguns dos outros portugueses eliminados logo na primeira ronda. A prova foi vencida pelo basco Hodei Collazo.

    - Quiksilver Pro Portugal 2011 (WQS Prime): Tiago Pires e Vasco Ribeiro foram os melhores portugueses, com um 25.º lugar. Filipe Jervis também esteve em prova e terminou no 73.º posto. O vencedor foi o australiano Julian Wilson, que bateu Gabriel Medina na final. Nas meias-finais estiveram ainda John John Florence e Miguel Pupo – o vencedor já fazia parte da elite mundial e os outros três entraram para lá semanas depois.

    - Allianz ASP World Junior 2014: Vasco Ribeiro foi o vencedor da prova, sagrando-se campeão mundial júnior. Tomás Fernandes também esteve em destaque ao terminar no 3.º posto. Miguel Blanco terminou no 17.º posto e João Kopke no 33.º lugar.

    - Men’s Ericeira World Junior Championships 2015: Tomás Fernandes foi o único português em prova e terminou no 9.º lugar. O brasileiro Lucas Silveira sagrou-se campeão mundial júnior.

    Provas femininas:

    - Buondi Pro 1990 (WWT AA): Patrícia Lopes foi a melhor portuguesa, terminando no 9.º posto. Teresa Abraços terminou no 22.º lugar. A australiana Pam Burridge foi a campeão do evento.

    - Magnólia Girls Pro 2003 (WQS 6*): Joana Rocha, Patrícia Lopes e Teresa Abraços foram as melhores portuguesas com um 25.º posto. Também participaram Vanessa Monteiro, Joana Andrade, Mariana Canelas e Rute Nogueira, todas no 41.º posto, e ainda Mariana Leite, Carolina Simões, Inês Tralha e Mariana Santos, todas no 49.º lugar. A vitória foi da havaiana Melanie Bartels.

    - Allianz ASP World Junior 2014: Teresa Bonvalot foi a melhor portuguesa em prova e terminou no 5.º posto final, vencida apenas pela havaiana Mahina Maeda, que se sagraria campeã mundial júnior. Carina Duarte foi a outra portuguesa em prova e terminou no 9.º posto.

    - Women’s Ericeira World Junior Championships 2015: Teresa Bonvalot voltou a ser a melhor portuguesa, mas subindo até ao 3.º posto, depois de perder novamente para a havaiana Mahina Maeda. Também foi ela a responsável pela eliminação de Camilla Kemp, que terminou no 5.º posto. Carol Henrique foi a outra portuguesa em prova e terminou no 9.º posto. A australiana Isabella Nichols sagrou-se a nova campeã mundial júnior.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Galeria