Homepage

  • O reabastecimento em mar é mais perigoso do que em rio, até pela existência de ondulação, assim como mais prejudicial para a terra.
  • No início desta semana os banhistas que se encontravam na Praia da Rocha puderam testemunhar in loco a presença de vários aviões Canadair junto à costa a reabastecer para ajudar no combate ao incêndio que tem deflagrado nos últimos dias no Algarve. Os vídeos do momento em que os aviões espanhóis reabastecem junto à praia não demoraram a chegar às redes sociais.

    Esta é uma situação pouco habitual, mas que acabou por ser necessária devido à velocidade com que as chamas se aproximavam das povoações. A verdade é que o reabastecimento em mar é mais perigoso do que em rio, até pela existência de ondulação, o que torna toda a operação mais imprevisível.

    Além disso, o combate às chamas é, na maioria dos casos, feito com água do rio, neste caso água doce. No entanto, esta operação em mar deveu-se à impossibilidade de ser executada na ria entre a Praia da Rocha e Ferragudo, que transporta o Rio Arado até ao mar.

    Apesar de salientarem que o importante é apagar os incêndios, os especialistas chamam a atenção para as quantidades de sal libertado nas zonas florestais e os seus efeitos no solo, há também o risco de o sal ficar no solo e com as chuvas contaminar os aquíferos adjacentes, podendo tornar os rios mais salinos causando alterações nos ecossistemas.

    Testemunhas no local explicaram que a ria se encontravam repleta de embarcações, o que tornava ainda mais perigoso o abastecimento nesse local, colocando em perigo não só os aviões como as próprias embarcações, muitas atraídas para o local devido ao cenário dantesco provocado pelo fogo na paisagem de algumas praias algarvias.

    Dessa forma, a solução dos Canadair espanhóis passou por arriscar um reabastecimento no mar, mesmo perante todas as dificuldades que isso acarretava. Um ato heroico e que, felizmente, correu dentro da normalidade, podendo assim os aviões continuarem a combater as chamas que queimavam a passos largos a Serra de Monchique.

    O Beachcam contactou a Capitania de Portimão para tentar saber mais pormenores sobre esta operação que decorreu na Praia da Rocha, mas ainda se encontra à espera de uma resposta por parte da entidade.

    Como ajudar

    Os bombeiros de Portimão pedem para que sejam entregues no quartel alguns bens de primeira necessidade para serem depois transportados para o terreno.

    Águas, fruta, barritas, bebidas energéticas e pomadas para queimaduras são alguns dos mantimentos que os bombeiros estão a precisar.

    Os donativos podem ser entregues no quartel de Portimão e depois serão levados para Monchique, refere a corporação numa mensagem publicada no Facebook.

    De acordo com o jornal “Barlavento Algarvio”, a Escola Básica Júdice Fialho, em Portimão, está a precisar de voluntários para confecionar refeições para os operacionais que estão a combater o maior incêndio do ano.

    Estão a ser cozinhadas cerca de 7.200 refeições diários naquele estabelecimento de ensino, que depois são transportadas para o terreno.

    A equipa do Beachcam agradece o trabalho e dedicação dos nossos heróis incansáveis, os bombeiros que avançam, quando todos recuam!

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • avioes
  • canadair
  • praia da rocha
  • incendios
  • monchique
  • silves
  • praia
  • abastecimento
  • mar
  • portimao
  • Portugal
pub
similar News
similar
agosto 17
Está de volta a mítica prova de surf algarvia!
agosto 16
As nove coisas que mais irritam uma nadadora-salvadora
agosto 17
Calor excessivo está de regresso nos próximos dias!
agosto 17
Poltrona encontrada numa arriba portuguesa...
agosto 17
Temperaturas começam a aumentar
agosto 16
Estudo afirma que os próximos quatros anos serão 'anormalmente quentes'
agosto 16
Subida de maré inunda vários carros no Norte